Plano de negócios é chave para sobrevivência de empresas

Plano de negócios é chave para sobrevivência de empresas

Há vários anos atrás, mais precisamente em 2002, o jornalista e advogado Henry Ajl abriu uma empresa de turismo de aventura.

Pouco tempo depois, teve de fechá-la, pois a cotação do dólar disparou, as viagens internacionais ficaram mais caras e os clientes sumiram.

A experiência de Ajl é similar à de muitos empresários. Apesar de terem uma boa ideia de empreendimento, não investem em um plano de negócios.

Considerada uma das ferramentas mais importantes para o planejamento, o documento descreve os objetivos da empresa e analisa o que é necessário para alcançá-los.

Segundo relatório do Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, 45% dos donos de empreendimentos abertos no Estado de São Paulo não levantaram dados sobre o número de clientes que teria e seus hábitos de consumo; 30% ignoraram o número de concorrentes e 28% não buscaram informações sobre fornecedores.

Foi “um erro”, admite Ajl, sobre a falta do plano de negócios. Mas, complementa, “a gente é tão consumido no dia a dia que não sobra tempo”.

Em 2003, o empresário mudou de área e abriu uma produtora de vídeo. Apesar de dizer que “seria interessante ter um plano de negócios”, Ajl afirma que a maioria das decisões que ele e o sócio, Markus Bruno, tomam é acertada.

Exemplo disso foi a de investir, há seis anos, em gravação em alta definição – padrão que se popularizou no país. “A gente não tem uma coisa formalizada, mas, de tempos em tempos, sentamos e decidimos o que vamos fazer.”

Segundo Dariane Castanheira, professora da Fundação Instituto de Administração – FIA, entidade ligada à USP, o plano de negócios é essencial “para que o empresário não invista dinheiro e esforços em vão”.

Para isso, é necessário abranger três pontos cruciais: o ambiente (contexto em que a empresa se insere, desde concorrência até macroeconomia), o produto ou serviço que é oferecido (características e diferencial) e um plano financeiro (capacidade de investimento, fluxo de caixa e previsão de lucro). “Muitas vezes, o empresário acha que tem tudo na cabeça.”

Além do ganho com o planejamento em si, Castanheira explica que, elaborar um plano de negócios da forma correta, é mais fácil conseguir crédito em instituições como o BNDES.

Como elaborar um plano de negócios

Para elaborar o plano de negócios, vale investir em informações na internet – como a cartilha do Sebrae – ou em livros. Ou fazer como o empresário Minoru Ueda, que matriculou-se em um curso de gestão de empresas.

Formado em história, mas com especializações na área de administração, ele já havia trabalhado em um banco e na área de recursos humanos quando decidiu que abriria uma franquia de uma loja de bijuterias com sua esposa.

A partir de então, os dois procuraram capacitação em empreendedorismo e descobriram como fazer um plano de negócios com uma projeção de 10 anos.

Em 2004, a primeira loja foi aberta no Itaim Bibi e, no fim do ano passado, seguindo o plano, a segunda franquia foi inaugurada.

Ele diz que as maiores dificuldades foram fazer as previsões de macroeconomia e de política do país e pensar em cada detalhe, cada possibilidade que poderia influenciar sua loja.

“Sempre vai haver uma ou outra coisa inesperada, mas, quando há planejamento, o impacto no negócio é menor, porque todo o resto está planejado”, diz ele. Ueda fala com propriedade.

Quando tinha apenas a primeira loja, a rua passou por reforma para se transformar em shopping a céu aberto. Durante cerca de um ano, o movimento caiu; mesmo assim, a empresa sobreviveu.

A flexibilidade, aliás, é outra característica importante do plano. Ele deve ser um guia para o empresário, nunca um gesso. “É importante que o plano de negócios seja repensado sempre, é assim que as grandes empresas fazem”, adverte Castanheira.

E você? Tem alguma experiência na elaboração de um plano de negócios? Deixe seu comentário e mantenha-se atualizado assinando a nossa Newsletter.

Plano de negócios e a sobrevivência
Avalie este artigo

1 COMMENT

  1. Em geral, as pessoas pensam que montar uma micro/pequena empresa é tão simples como abrir as portas e pronto. Esquecem-se de que os tempos mudam, às vezes rápido demais, então fracassam e terminam na quebra.

    O planejamento,do que fala o post, é essencial, pois nele podemos prever de certa forma o comportamento futuro do mercado e fazer alterações no rumo do negócio a tempo. Antes de que naufrague sem chances de salvar sequer o investimento.

    Excelente artigo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here