Soft Skills – Competências que abrem portas

Soft SkillsA expressão soft skills tem dado o que falar nas esferas corporativas. Na verdade, trata-se de um termo sociológico em referência às pessoas que possuem um bom nível de inteligência emocional (QE = Quociente de Inteligência Emocional), sustentado por habilidades que têm impacto direto na qualidade das relações interpessoais e que configuram a excelência na interface com o outro. São atrativos do perfil profissional que respondem pelo sucesso ou fracasso do processo de socialização e interação entre os grupos nas células de trabalho.

Resiliência, jogo de cintura, comunicação acessível, empatia e otimismo são traços que sinalizam a capacidade que o profissional tem de contornar situações e conquistar a simpatia e o apoio das pessoas pela maestria com que lida com elas.

Não é raro, após reuniões mais acaloradas nas empresas, ouvir comentários a respeito daquele profissional que consegue fugir de posturas ostensivas, posicionando-se com maturidade e oferecendo colocações razoáveis e oportunas. Pensam com isenção, sem melindres, pois não tomam como pessoais as posições contrárias às suas. Esse padrão comportamental converge à estrutura das competências sociais e é muito significativo quando avaliado pelo valor agregado que proporciona às organizações.

O Quociente Emocional

O quociente emocional é um componente de fundamental importância enquanto contribuição do profissional para o sucesso das relações de trabalho nas empresas. Lidar com pessoas que validam os recursos advindos dos processos de autoconhecimento e autogestão é um beneficio direto, pois em vez de trabalharem no “self” e agirem de modo reativo ao que não os favorece, conseguem manter um bom entendimento com as pessoas pela disposição que têm em lidar com o outro, conquistando assim sua credibilidade.

Em um universo onde a maioria dos problemas nas empresas advêm do entrave nas relações interpessoais, ser mestre na arte de relacionar-se com o outro pode configurar o abre portas para uma carreira de sucesso. Por este motivo, as habilidades comportamentais corroboram cada vez mais o perfil do profissional ambicionado pelas empresas. Em posições de liderança, aqueles que conseguem incluir a percepção do outro na sua realidade, geralmente, tornam-se referência para suas equipes e contribuem para construção de um diferencial de conduta.

Você consegue imaginar um gestor que, no desafio de liderar pessoas, afirme que “o resultado prático de um grupo independe da quantidade de sorriso, de por favor, de obrigado e de cuidados dispensados aos seus colaboradores?” Ou mesmo que “gentilezas põem a mesa, mas não garantem o jantar”? Como construir alianças em prol de resultados comuns sem privilegiar o engajamento? Se o ser humano por condição natural é carente de insumo emocional e as relações para serem justas devem oferecer troca, que ganho existe numa relação onde um não legitima o “ser” do outro?

A despeito daqueles que ainda resistem ao autodesenvolvimento por estarem reféns do jeito robótico de ser, percebe-se um movimento crescente das instituições de ensino e empresas de diversos segmentos investindo cada vez mais no conceito sutil da condição humana como garantia da sustentabilidade das relações de trabalho e preservação dos resultados.

Sentimentos e emoções ignorados afetam comportamentos, dificultam relacionamentos e anulam os resultados das iniciativas inclusivas e participativas, comprometendo a sustentabilidade das relações de trabalho. Tratar bem as pessoas, decididamente, é e sempre será um excelente recurso em garantia à longevidade dos negócios pessoais e profissionais.

E sobre você? Quais dos seus traços de personalidade ilustram o conceito de soft skills?

Por Waleska Farias

GD Star Rating
loading...

4 COMENTÁRIOS

  1. Realmente é até mais expressivo e determinante no êxito de uma carreira o QE do que propriamente o QI. Pessoas com um QI normal e QE elevado têm mais chances de sucesso no mundo corporativo do que o contrário, já que os relacionamentos interpessoais são fundamentais. Geralmente QI elevado contribui para as atividades estritamente individuais, o que num ambiente corporativo as atividades coletivas sobrepujam as individuais. Sugiro a leitura do livro Inteligência Emocional de Arão Amazonas.

  2. bom artigo, o QE é muito importante, podendo ser decisivo no clima de uma empresa e consequentemente nos resultados, mas pena que as soft skills, a capacidade de lidar com os outros, só vai ser avaliada quando já se está inserido numa empresa, antes disso há várias barreiras a serem atravessadass antes de se ter a oportunidade de mostrar essas habilidades, como a idade por exemplo, se vc tem mais de trinta sem muita experiência comprovada formalmente, vc praticamente não existe para o mercado, assim acaba valendo muito mais o QI – quem indica, do que o QE.

  3. bom artigo, o QE é muito importante, podendo ser decisivo no clima de uma empresa e consequentemente nos resultados, mas pena que as soft skills, a capacidade de lidar com os outros, só vai ser avaliada quando já se está inserido numa empresa, antes disso há várias barreiras a serem atravessadass antes de se ter a oportunidade de mostrar essas habilidades, como a idade por exemplo, se vc tem mais de trinta sem muita experiência comprovada formalmente, vc praticamente não existe para o mercado, assim acaba valendo muito mais o QI – quem indica do que o QE.

DEIXE UMA RESPOSTA