Negócios online igualam empresas na hora de atrair clientes

Marketing online iguala empresas grandes e pequenas
Marketing online iguala empresas grandes e pequenas

Com a rede mundial de computadores – world wide web (www), na sigla em inglês; grandes e pequenas empresas ficaram muito parecidas quando o assunto é atrair o cliente. A diferença não é mais o poder econômico do marketing, mas o poder de agilidade, criatividade e capacidade de conexão com o público-alvo, acredita o consultor em marketing do Sebrae em São Paulo, Marcelo Sinelli.

Dados da pesquisa Monitor Evolution, do Ibope, mostram que o crescimento da receita da internet foi de 71%, com R$ 3,1 bilhões em 2010 e R$ 5,4 bilhões, no ano passado. A participação da mídia virtual no bolo publicitário saiu de 4% para 6%, no período. O gasto total com publicidade em todas as mídias foi de R$ 88,3 bilhões, em 2011.

Para Leandro Kenski, diretor executivo da Media Factory, agência especializada em marketing digital, a vantagem competitiva que a rede mundial oferece supera todos os investimentos. “Com certeza, a empresa que não estiver conectada a algum site, blog ou rede social perderá mercado em um futuro próximo. Nos Estados Unidos, a mídia online já pegou uma grande parte da fatia de todo o mercado publicitário. No Brasil, nos próximos anos, muito da mídia local migrará para a internet”, profetiza.

Kenski avalia que as pequenas empresas, muitas vezes excluídas do mercado publicitário tradicional, têm a grande chance de aumentar o bolo de participação nas mídias digitais. “Hoje o sistema de e-mail marketing é uma ferramenta simples, barata e uma forma inteligente de atrair o cliente. Uma tecnologia que não necessita de grande conhecimento e tem sua eficácia comprovada”, afirma.

Redes sociais são um terreno fértil para o marketing digital

Outra ferramenta disponível na internet para publicidade e marketing são as redes sociais. O Brasil, segundo o site especializado IDG Now!, fechou 2013 como o segundo país em número de usuários ativos no Facebook.

Para Sinelli, do Sebrae, as redes sociais – Facebook, Twitter, Foursquare, Linkedin, Youtube entre outros – podem ser uma porta de entrada para quem quer uma publicidade praticamente gratuita e com grande efeito viral. Mas as empresas precisam ficar atentas à agilidade de atendimento. “É um ótimo canal de comunicação, mas é preciso dispor diariamente de um tempo para responder aos usuários e ter o que chamamos no marketing de good will, ou boa vontade, que cria uma imagem de receptividade da empresa às críticas e sugestões. Toda a empresa tem um dia de bola fora. É preciso apenas corrigir o erro e explicar ao usuário o que aconteceu”, diz o especialista do Sebrae.

GD Star Rating
loading...

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA